Márjory Félix : QUANDO O FEMINISMO VIRTUAL AJUDOU A ME LIVRAR DE UM RELACIONAMENTO ABUSIVO

QUANDO O FEMINISMO VIRTUAL AJUDOU A ME LIVRAR DE UM RELACIONAMENTO ABUSIVO

Se engana quem acha que o feminismo, seja de qualquer forma expressa, escrita e falada não serve para nada. Hoje a internet alcança milhares de jovens, e foi dessa forma que eu me livrei de um relacionamento abusivo que me tirava toda autonomia e vontade de me amar.

Em 2015 o Feminismo começou a ser mais falado, mais gritado por milhões de mulheres que abraçaram a causa, e decidiram não mais se calar. 
Foi assim que eu ouvi falar, que eu li, que eu procurei saber sobre ele.
Quem me ensinou o básico foi o facebook da Isabella, do ''Para Beatriz'', ela fala sobre maternidade e feminismo, coloca várias situações que antes a gente achava normal, e ela mostra o problema, o machismo, o que a gente não vê. Comecei a acompanhar e ler ela sempre. Antes eu ficava em duvida sobre milhares coisas, mas com o tempo fui entendendo e tendo cada vez mais certeza de como eu queria me juntar aquela causa tão importante pra nós mulheres.

Aprendi que a culpa do estupro não é a minha roupa, minha maquiagem, o lugar que eu vou, a amizade que eu tenho. A culpa do estupro é só de quem o cometeu.
Aprendi que nenhum homem devia me diminuir, me humilhar, me afastar de amigos e familia, mandar em mim, me oprimir.
Aprendi a ver o machismo, a ver como aquilo mata mulheres a cada dia, seja fisicamente ou emocionalmente.
Aprendi que mulher merece respeito seja ela de burca ou mini saia.
Aprendi que abuso também é quando um homem mexe com você na rua.




Eu aprendi isso e nunca mais aceitei esse tipo de coisa na minha vida.

Homens ainda mexem comigo na rua, assoviam, acham que somos objeto sexual. Mas hoje eu sei lutar quanto a isso.

Nenhum homem me colocou menos do que sou. Nunca mais deixei que nenhum homem mandasse eu trocar de roupa, a passar menos batom, a não conversar com certas pessoas. Ninguém nunca mais me manipulou. Eu aprendi que isso não é normal, não é um respeito quanto a meu parceiro, é um abuso silencioso, é machismo.

Eu vi a dor de muitas mulheres que sofrem dentro de casa. Eu passei a sentir aquela mesma dor, eu aprendi a ter sororidade com cada uma delas. A ter empatia. 




Pelo facebook do ''Vamos Juntas'', quando eu estou voltando do trabalho sozinha na rua escura e vejo uma mulher atrás, eu sorrio pra ela e sei que ela se sente aliviada de eu estar ali também.

Eu passei tudo que eu aprendi para as minhas amigas, e isso de alguma forma fez elas mudarem muita coisa no seu dia a dia. Elas começaram a ver o mundo da mesma forma que eu. Eu ajudei muitas a se libertarem de relacionamentos abusivos, ou começarem a enxergar que aquilo não era pra elas, nem pra ninguém. 

Eu virei outra. Eu me amei. Eu me encontrei. Me aceitei. Eu vi que eu não preciso de homem nenhum para falar que sou isso e aquilo. Eu me basto.



Eu continuo namorando, mas sendo outra mulher eu tive outro relacionamento, com a mesma pessoa. Sim, isso foi possível porque eu não me calei, eu não aceitei menos, eu não aceitei ser desrespeitada, eu não aceitei que me diminuísse. Hoje eu sou mulher, feminista, mãe e noiva. 

E essa transformação toda se deu por apenas uma publicação de uma mulher que fala do feminismo em redes sociais. Se não fosse ela gritando através do seu facebook eu não teria mudado tanto. 

Falar sobre o feminimo pelo facebook ajuda sim, liberta sim, ensina sim. Nós temos que falar sobre isso, seja na internet, na escola, no trabalho. A violência contra a mulher tem que ser falada ao mundo inteiro, não podemos continuar aceitando.

Toda forma de abraçar a causa é bem vinda. O que não pode é se calar.









Página Anterior Página Anterior